CIPOENSE DIZ MORAR EM ANTIGO GALINHEIRO APÓS TRAGÉDIA


No Programa Pinga Fogo, Radio Pombal FM, de Ribeira do Pombal, de terça-feira, 28 de junho 2016, compareceu a Senhora Marineide, de Cipó, uma das muitas vitimas da tragédia que se abateu na cidade no dia 4 de janeiro 2015, quando uma forte ventania, junto com chuva, destruiu diversas casas, como também danificando os pertences dos moradores.

Passados seis meses, Dona Marineide, que hoje mora em um antigo galinheiro, veja foto acima, com os filhos, disse que "o que recebeu da Prefeitura de Cipó, foi somente 1.500 blocos e 8 sacos de cimento, que não deu para construir uma casa onde minha família pudesse ir morar".



“Esta noite não conseguir dormir, espantando os ratos que queriam mexer no pouco de alimentos que tinha. Nunca recebi uma cesta básica do governo, que a Rádio Comunitária diz que Romildo distribui. Teve doações do povo, como feijão e outros alimentos, que apodreceram no depósito da prefeitura e jogadas fora, ninguém sabe onde”, relatou Marineide aos radialista Joilson Costa e Marck Viaana.

Procurado, o prefeito Romildo disse à moradora que não poderia fazer mais nada, pois não tinha recebido dinheiro do Governo do Estado e nem do Governo Federal sobre a questão, apesar de ter baixado decreto de calamidade publica.



Segundo Dona Marineide, "muitas pessoas atingidas pela tragédia estão em dificuldades, apesar de cadastrados pela administração do município, estão se sentindo abandonadas pela mesma. Quase na sua totalidade, o que recebemos de ajuda, foi da solidariedade do povo cipoense e da região".

Fonte: Joilson Costa

Nenhum comentário

vitrine