.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

DOIS REPASSES DO FUNDEB PARA PREFEITURAS DA REGIÃO


 Na quinta-feira, 29 de janeiro 2015, os municípios de 10 Estados receberam dois repasses referentes à área de Educação. O primeiro é o resíduo para integralização da complementação da União ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) de 2014. O segundo é a parcela de janeiro da complementação deste ano. A quantia soma R$ 2,2 bilhões.

O montante estará disponível nas contas do Fundo de Estados e Municípios beneficiários com a complementação da União. Em 2015, os recursos federais serão destinados novamente para os seguintes Estados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte.

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) explica que essa situação acontece somente em janeiro. Nesse mês os municípios recebem o repasse habitual juntamente com o resíduo de complementação ao FUNDEB do ano anterior. 


Valores dos dois repasses para os municípios da região: 

ITAPICURU, R$ 723.931,06 E R$ 398.177,72; OLINDINA, R$ 589.865,72 E R$ 278.611,66; INHAMBUPE, R$ 803.647,77 E R$ 378.965,46; RIO REAL, R$ 802.566,87 E R$ 385.288,63; RIBEIRA DO POMBAL, R$ 1.143.596,98 E R$ 571.407,87; RIBEIRA DO AMPARO, R$ 361.761,68 E R$ 179.938,45;  CALDAS DE CIPÓ, R$ 361.543,60 E R$ 177.893,75;  HELIÓPOLIS, R$ 319.696,48 E R$ 147.617,69; NOVA SOURE, R$ 220.338,59 E R$ 304.123,76;  TUCANO, R$ 1.189.644,46 E R$ 566.363,80.
 



 site da CNM. 

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

ELEFANTE BRANCO? OBRA INACABADA EM ITAPICURU




A balança de pesagem de caminhões instalada na BR-349, entre Olindina e Itapicuru, mas precisamente no Povoado Fazenda Areias, seria de suma importância nas autuações por excesso de carga.

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), o excesso de peso nos veículos é a principal causa de manutenções no asfalto das rodovias. O peso além do permitido representa uma parcela de culpa no estado que se encontra a rodovia. Obras inacabadas já viraram parte da paisagem urbana em diversas partes do país. 




Os Tribunais de Contas no Brasil constantemente investiga o uso ilegal de dinheiro público em obras pelo país. 

Nos últimos dias ocorreram 03 tombamentos de caminhões no município de Itapicuru, sem contar o tráfego de caminhões com carga exorbitante colocando em risco toda a população de Itapicuru, visto que a rodovia corta área urbana da cidade.



Segundo moradores da região a obra tem três finalidades: ponto de uso de drogas, motel ao ar livre e ponto de partida para carreatas de todas as formas. A obra está abandonada e com suas estruturas que foram iniciadas abaladas. 

Aguardamos uma solução mais rápido possível das autoridades competentes para solucionar o descaso. 



Por Madyson Costa 
 

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

SALÁRIOS ATRASADOS EM 125 MUNICÍPIOS


Pelo menos 30% dos munícipios baianos, aproximadamente 125, estão com os salários dos seus servidores atrasados devido a quedas na arrecadação e problemas de gestão. O dado da União dos Municípios da Bahia (UPB) foi divulgado na edição de domingo, 25 de janeiro, do Jornal A TARDE. Ainda segundo o levantamento da UPB, a tendência é que este índice deve aumentar quando vencer a folha salarial de janeiro, pois a principal receita de 70% dos municípios baianos, o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), terá queda de 14% em comparação a janeiro de 2014 devido à crise econômica que atravessa o País.

Além disso, as despesas no início de 2015 aumentarão com o novo salário mínimo, reajustado em 8,8%, o novo piso salarial dos professores (que teve aumento de 13%), sem contar o fato que é neste ano que a maioria das prefeituras começará a cumprir acordos coletivos sobre o piso nacional dos agentes de saúde, aprovado em 2014 pelo Congresso Nacional.

Segundo a presidente da UPB, Mária Quitéria, a prefeita de Cardeal da Silva, os reajustes salariais terão um impacto de aproximadamente 23% para a folha dos municípios. "Temos um efeito cascata nos planos de cargos e salários, nos encargos trabalhistas e gratificações. A maioria dos municípios, para não falar todos, terá dificuldade de pagar janeiro".  


fonte: Bahia Notícias